O universo fotográfico é muito amplo e variado – e existem diversos tipos de fotografias. Conhecê-los é de suma importância para quem deseja contratar esses serviços de maneira acertada, de acordo com suas expectativas.

A fotografia artística, como o próprio nome sugere, é aquela que encara o ato de fotografar como uma arte. Por isso, a criatividade e a liberdade do fotógrafo são maiores, permitindo que ele desenvolva trabalhos autorais e mais subjetivos.

Quer entender melhor a fotografia artística? Continue a leitura!

O que é fotografia artística?

Como dissemos, a fotografia artística é aquela mais autoral e subjetiva. Seu principal objetivo não é retratar a realidade de forma convencional, mas sim de uma maneira que reflita a emoção do fotógrafo.

Por isso, é normal vermos fotógrafos usando técnicas pouco convencionais ou até “quebrando” as normas “tradicionais” da fotografia, além de utilizarem de ferramentas variadas, que ajudem a moldar suas identidades e assinaturas.

O objetivo da fotografia artística é registrar uma visão subjetiva, abstrata e a partir da visão do fotógrafo sobre o objeto fotografado, por isso ela exige um planejamento melhor e também um domínio maior das técnicas de fotografia.

Como surgiu a fotografia artística?

No século XIX, nascia a fotografia. No início, ela era utilizada apenas como forma de documentar o mundo. Mas, com os avanços das técnicas e dos equipamentos, começaram a surgir fotógrafos que questionavam esse uso.

Foi assim que, em meados de 1840, Oscar Gustav Rejlander começou a expor seus trabalhos fotográficos ao lado das esculturas e pinturas artísticas – sendo, portanto, considerado o pai da fotografia artística.

A sua primeira foto exposta foi “Os dois caminhos da vida”, resultado de uma composição de 30 negativos. Essa imagem fez tanto sucesso que acabou sendo comprada pela Rainha Vitória.

Apesar disso, o lado artístico da fotografia apenas passou a ser evidenciado a partir do movimento pictoralista que se espalhou pelos Estados Unidos, França e Inglaterra entre 1890 e 1920 – e defendia a fotografia como uma expressão artística.

Um dos principais nomes do movimento foi Alfred Stieglitz, que era conhecido por trabalhar como fotógrafo e editor do Camera Work, o principal periódico sobre fotografia da época.

Usando a sua influência, Stieglitz passou a questionar o uso da fotografia e a inserção dela dentro da arte, sendo um dos principais representantes do pictorialismo.

Com o pós-modernismo, a fotografia artística ganhou um espaço ainda maior – e foi a partir de então que a fotografia passou a ser considerada como uma forma de expressão e representação cultural.

Fotografia artística e fine art são a mesma coisa?

Dentro do universo fotográfico, existem vários termos, escolas e técnicas que podem confundir até os mais experientes. Uma dessas confusões bem comuns é entre fotografia artística e fine art, já que a linha que separa ambas é bastante tênue.

A principal diferença entre elas é o embasamento teórico. Em geral, a fotografia artística se baseia na construção de um projeto de arte que represente a opinião ou os princípios do fotógrafo – e por isso ele costuma pesquisar referências, inspirações e fontes.

Já a fine art é resultado de uma ideia mais simples. Mesmo carregando a essência artística, a ideia não é usar a foto para representar uma ideia tão complexa como no caso da fotografia artística.

Quais os principais tipos de fotografia artística?

Dentro do que convencionamos chamar de fotografia artística ainda existe uma série de modalidades que permitem o fotógrafo experimentar e trabalhar a sua criatividade. Veja algumas mais comuns.

Nu artístico

A nudez ainda é vista como um tabu para muitas pessoas, mas dentro da fotografia ela é bastante usada, especialmente com intenções artísticas. Atualmente, a nudez tem sido empregada como forma de empoderamento e estímulo para a aceitação de todos os tipos de corpos.

Embora o corpo nu seja muito ligado ao erotismo, é a visão do fotógrafo que dará o “tom” à fotografia, permitindo diferentes interpretações e intenções, dependendo da mensagem que se deseja transmitir.

A nudez está presente na arte desde os seus primórdios e representa as transformações sociais de maneira mais expressiva do que qualquer outro.

Fotomontagem

A fotomontagem é a união de duas ou mais fotografias. Embora em um primeiro momento ela possa parecer simples, a técnica é usada por artista de renome para representar conceitos bem complexos.

Dentro dos movimentos artísticos, a fotomontagem foi usada com diferentes intenções. No dadaísmo, por exemplo, ela era vista como uma maneira de desafiar o realismo (ao qual o movimento se opunha).

Em geral, a fotomontagem é usada para unir imagens contrastantes em uma obra ou construir um cenário que somente existe na imaginação do fotógrafo. Hoje, a forma mais comum de usar a técnica é por meio da edição de imagens, porém quem é adepto das câmeras analógicas pode usar diferentes combinações de negativos.

Stop Motion

O Stop Motion é bem comum no universo da animação e se baseia em uma sequência de fotos de um mesmo objeto em diferentes posições – que, quando unidas, criam uma sensação de movimento.

Esse é um trabalho bem demorado, já que cada alteração no posicionamento do objeto precisa ser bastante sútil, resultando em movimentos fluidos e naturais – o que impacta totalmente o resultado final.

George Mélies, ilusionista e cineasta, foi o primeiro a começar a usar a técnica. Seu filme “Viagem à Lua”, de 1902, é considerado o primeiro de ficção científica e contou com uma cena inteira realizada em stop motion.

Fotograma

O fotograma é diferente de tudo que você já ouviu falar em fotografia, já que a imagem não é capturada por uma lente, mas sim gravada em um papel sensível a luz.

Assim, os diferentes formatos obtidos nas imagens surgem da disposição de objetos sobre o papel e a exposição diferenciada de luz. Qualquer mínima alteração nos elementos pode resultar em fotos totalmente distintas.

A técnica era bastante comum durante a revelação dos filmes das câmeras analógicas, mas acabou se tornando rara com o surgimento das câmeras digitais.

Neste conteúdo, você aprendeu o que é fotografia artística e viu como ela se diferencia da fotografia documental, já que a ideia é retratar a visão do artista sobre determinado objeto e não, necessariamente, a realidade sobre ele.

A fotografia artística também pode ser usada em ensaios, principalmente com a possibilidade de fotos mais autorais. Nesse caso, não espere um retrato fiel da realidade, mas sim um trabalho único e subjetivo, que expresse os sentimentos e a visão do fotógrafo.

Gostou de saber mais sobre fotografia artística? Compartilhe essas dicas com seus amigos nas redes sociais!

eBook Guia de Fotografia

_

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado.

2 × quatro =